quarta-feira, 18 de setembro de 2019

 

Quadrilha

Taarabt substituía Jota
que substituía Chiquinho
que substituía Félix
que emparelhava com Jonas
que não pedia meças a ninguém.
Mas o Jonas pendurou as botas
o Félix rendeu muitas bolotas
o Chiquinho tem as pernas rotas
o Jota só pensa em garotas
e o Taarabt tem o pulmão às postas
pelo que acabam jogando o Tomás e o Seferovic
que ainda não tinham entrado na história
(e quem lucra com isso é o Insónias)
Partilha noutros estaleiros:
 

Sporting: temos salvação?

Bom dia estimados sofredores,


Empatámos, podíamos ter perdido, o Boavista podia ter tido 100 jogadores expulsos, a minha avó podia ter rodas e a Torre Eyffel podia ser na Arrentela.

A realidade é que jogamos muito pouco, temos a massa adepta fraccionada, parece que não há dinheiro e já temos as suricatas todas a levantar a garimpa.

A grande questão é: Existe outro Sporting?

Parecemos o Split, o filme do M. Night Shyalaman, onde o McAvoy encarna diversas personalidades reclusas de um único corpo.

Somos neuróticos, explosivos e inconciliáveis. Não conseguimos encontrar um ponto em comum que nos permita juntar esta mole humana enorme em torno de um objectivo comum, o bem do Sporting.

Qual a razão para isto?
Para além da falta de uma vitória no campeonato, que é sempre um catalisador de união, parece-me óbvio que o Sporting enferma do mesmo mal de Portugal.

Olhando para quem "manda" neste país observamos que são sempre as mesmas famílias desde o tempo da Monarquia, mesmo escondidos, os "apelidos" são sempre os mesmos, sempre na sombra a direccionar os destinos do país, tal como o Sporting.

Desde a saída do grande João Rocha temos vivido em regime de cooptações dinásticas sempre dentro da grande família de "pessoas de bem". Pessoas que estão conectadas ou à procura de conexão (Alô Sousa Cintra), que estão muito pouco interessadas no sucesso do Sporting, mas antes na manutenção do seu status perante a sociedade.

Quem segura, quem aguenta as pontas? A tal massa adepta completamente fracturada, mas apaixonada por este clube que é, em si, um manicómio.

Vivemos um momento em que tudo é escrutinado, qualquer erro associado à actual direcção do Clube é empolada para níveis Jupiterianos, para lá de qualquer razoabilidade.

Estou eu a defender a actual comissão directiva? Nada, nem de perto.

A Actual administração tem sido um manual de incompetência de fio a pavio, a falhar redondamente em todas as GRANDES matérias.

Erros todos cometem, mas se existir alguma comunicação, empatia e ligação emocional ao comum adepto, o vulgar de Lineu consegue perceber uma lógica subjacente.

Aqui é óbvio que estamos assistir a uma destruição muito forte de valor, em que os erros de pequena monta são apenas matéria para gozo no twitter mas que ocupam o espaço que deveria ser utilizado para a verdadeira discussão estrutural do Sporting.

Temos salvação? Claramente, com tantos adeptos ainda hoje apaixonados (Apesar de divorciados) pelo clube, é impossível não haver salvação. Somos demasiados para que algo se afunde sem remédio.

O que falta?

Podemos investir mais que todos os clubes grandes juntos, mas o que vejo como fundamental é mesmo uma direção que olhe para os seus adeptos como mais do que simples clientes, para comprar roupas, cadernos escolares e outras 50 futilidades existentes na loja verde.

Quem agarrar todo esta massa, que está sedento de apoiar a equipa, sem o usar como braço Armado (como Bruno Carvalho, erradamente fez) ou como Base de dados para vender T-Shirts (Como Frederico Varandas, erradamente faz), respeitando-o e valorizando-o, terá um clube enorme a quem o futuro sorrirá.

Por agora, continuamos a definhar lentamente até à AG que servirá para validar a venda da SAD, que permitirá a alienação do património de Alcochete, enchendo os bolsos a quem adquirir a SAD.



Picareta Oceano

Partilha noutros estaleiros:

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

 

Conversas no Andaime - S2 EP04 - O Stream esteve em baixo

Boa noite picaretas,


Foi um programa atípico, como um fado condoído em stéreo.

Com um Sporting decrépito, em que nem o stream funciona, um Benfica a irritar o Bcool e o Robocop e um Porto miserável com um treinador que é... pouco urbano.

Foi por isso um programa duro, pesado e triste, faz parte, quem ama sofre e nós sofremos.

Links:




Como sempre, ouçam com fones ou afastem as crianças deste festival.

Picareta Oceano


Partilha noutros estaleiros:

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

 

Conversas no andaime: S2 Ep03 - Sporting, Benfica e Porto? Não, o Famalicão

Bom dia picaretas,


Com uns dias de atraso, apanágio e motivo de orgulho dos pedreiros, seguem os links do último podcast.

Com a presença do Oceano, do Robocop e do Moussa, a intervenção verdadeiramente construtiva ficou a cargo do BCool e do Jorge, o maestro por trás desta Orquestra.

Andamos há meses a dizer que vamos reduzir o tempo do podcast e desta vez, finalmente, conseguimos!

Conseguimos... falhar redondamente o nosso objectivo, uma emissão completamente alucinante, com os Lampiões a serem comentados em directo e dois Lagartos a chorar no ombro de um Andrade que só se ria enquanto admirava lascivamente a barriga do Marega.

 







Como sempre, NSFW e afastem as crianças deste festival.

Picareta Oceano


Partilha noutros estaleiros:

sexta-feira, 30 de agosto de 2019

 

Então é isto que os Sportinguistas sentem!

Este post será uma pausa breve na picaretice. Prometemos que lá para o fim disto pegamos de novo nas marretas e nas picaretas e voltamos a partir tudo no mundo da bola.

Só que entretanto o Universo quis mostrar a um Benfiquista o que é ser do Sporting. Quem segue aqui o trolha no twitter sabe que não há prova de judo que não mereça comentário meu. Ora enquanto escrevo estas linhas juro que tenho lágrimas que me vêm aos olhos e não sei bem porquê.

Ou melhor sei. Sei que há mais de 6 anos que sigo a carreira de Jorge Fonseca, Judoca Português a quem a vida fez questão de projectar várias vezes, para se ir levantando. Judoca Português que tem um judo que apaixona, feito de explosão e emoção. Tanta emoção que tolda a razão e o afastou das medalhas demasiadas vezes. Judoca emocionante e emotivo que vai a todas para lá estar, mesmo quando o corpo não deixa. Judoca que mais por culpa própria do que alheia se vê afastado das medalhas.


Judoca que hoje chegou ao topo do Mundo ao fazer a mais perfeita das provas de toda a sua carreira. Foi força, velocidade, astúcia. Esforço e dedicação que culminaram na glória maior de pela primeira vez na História da modalidade um português se sagrar campeão do Mundo. Michel Almeida e Pedro Soares, antigos campeões e actuais treinadores de campeões, nunca o foram. Nuno Delgado não o foi. Telma Monteiro, o rosto mais mediático da modalidade, tem uma colecção de medalhas de prata nada de desprezar, mas nunca o foi.

Jorge Fonseca conseguiu-o. E quem o segue há anos só pode ficar feliz. Dei pulos como os que Pedro Soares deu quando Jorge quase borrou a pintura. E estou até agora a limpar as lágrimas que aparecem teimosamente cada vez que penso no que foi o caminho para chegar aqui.

Parabéns Jorge. Que isto não seja o fim, mas o princípio.
Partilha noutros estaleiros:

segunda-feira, 26 de agosto de 2019

 

Conversas no andaime: S2 Ep2 - Em primeiro lugar...

Bom dia Picaretas,


Em 1º lugar.... o Sporting. Nunca duvidei, sempre acreditei ;)


Eis que à 3ª jornada o Benfica perde com o Porto e os pedreiros decidem destruir a Lage que parecia de cimento mas afinal é de Esferovite (Absolute pun intended).

Azia, bílis e diversos camaradas bêbedos fazem deste programa o primeiro podcast do estaleiro a terraplanar o clube menos Urbano da 2ª circular.

É ouvir, como sempre, com os necessários cuidados:





Este podcat foi feito em directo, como serão os futuros, pedimos desde já desculpa, mas ainda não acertámos com as configurações todas desta coisa, somos pedreiros com orgulho!

Picareta Oceano
Partilha noutros estaleiros:

terça-feira, 20 de agosto de 2019

 

Quid est VARitas.

Perdoar-me-á o Senhor usar uma alegada citação de Pôncio Pilatos como título deste post, mas servir-me-ei do jogo do Jamor entre o Codecity B Sad e o Benfica para tecer algumas considerações sobre o VAR.


Desengane-se quem pensa que venho aqui malhar no VAR por estar de folga quando uma falta terá sido cometida sobre Rafa. O mais certo era chamarem o Esferovite a marcar o correspondente pénalti e o gajo afundar um cacilheiro na Trafaria.

Não, o lance que me leva a falar contra e a favor do VAR é mesmo o hino ao futebol que o Xistrema do Varíssimo anulou.


Ponto prévio, aceito a anulação apesar de não concordar com ela. Como sou adepto assumido da equipa que o marcou tenho imensa facilidade em encontrar desculpas para que o golo não devesse ser anulado. A primeira é logo que um golo de Seferovic é uma ajuda a que alguém pegue nele. A segunda é que, todo aquele golo é um monumento ao futebol, coisa que o futebol português necessita desesperadamente. Finalmente poderia tecer algumas considerações sobre o facto de o jogador a quem é assinalado o centimétrico fora de jogo não usufruir da vantagem da sua precisa posição e apenas ter real internvenção no lance quando, já em jogo e no meio de mais de metade da equipa adversária, empurra a bola para o fundo das redes.


Factualmente o jogador está fora de jogo e manifesta intenção de disputar o lance. Aceita-se a anulação da jogada. Agora, não usufrui de forma alguma de vantagem e apenas participa na jogada para empurrar a bola. Levantam-se então as perguntas "o que é uma jogada de golo" e "quão atrás é preciso puxar o lance". Mas tudo isto é conversa de adepto na bancada e está longe do que me leva a escrever sobre a VARdade. Apenas porque o Benfica ganhou, claro!

O problema maior do lance é que, pior do que entrar na categoria de orgasmo falhado (para quem não sabe o que é, pesquise por ruined orgasm num computador que não o do trabalho, cof cof), demonstra a incompetência do lado humano do VAR. O problema de tudo aquilo foi a demora de mais de 5 minutos para se chegar à conclusão que se ia anular a jogada.

5 minutos de um circo triste, que toda a gente já sabia como ia acabar. Como é que todos sabíamos? Porque quem seguia a transmissão televisiva teve oportunidade de ver mais de três repetições, sem linha científica e o caralho, em que se via o adiantamento ligeiro do Suíssinho do Benfica. Cinco minutos é mais do que tempo para o VAR olhar para um lance e dizer ao árbitro de serviço "há dúvidas, revê" ou "não há nada valida". Por incrível que pareça, face a como se desenrolou a jogada, ambas as opções seriam tecnologicamente correctas. O problema é o factor humano. E se em países como Holanda e Alemanha, à medida que o VAR vai sendo um facto consumado a conversa sobre o mesmo e como "estraga o futebol" vai desaparecendo, noutros como Portugal a conversa nunca desaparece. E não desaparece porque os árbitros, o factor humano da coisa, não querem que desapareça.

A dupla do Jamor era composta por Xistrema e Varíssimo. A tentação era dizer que estávamos a um Hugo Maccron como quarto árbitro de ter o trio maravilha anti-Benfica. Só que Xistrema e Varíssimo são tão maus que a dúvida não é como arbitram jogos primodivisionários, é mesmo como são autorizados a arbitrar algo mais do que jogos do campeonato do Inatel. E são estes maus profissionais que estão encarregues de usar o VAR. No podcast do Benfica FM #79 é dito que o problema do VAR em Portugal é como se a Ferrari desse as chaves de um carro a um azelha. O jogo do Jamor foi mais uma demonstração de como essa analogia é perfeita.


+


+ Rafa. É o motor da equipa. A coisa mais parecida com a reencarnação de JVP. O toque de magia agora que #Pistolas se foi e Félix já não é.

+ Floren e Tino. É o carro vassoura do meio campo. Um Fejsa com pés no lugar de tijolos. Está tão omnipresente que decidi escrever o nome dele como se fosse a nossa dupla do meio campo.

+ Pizzi. O cérebro. Compensa o que não dá defensivamente com doses generosas de criatividade e passes que mais ninguém vê.


Seferovic. O único elogio que lhe pode ser feito é que para central do Codecity Be Sad foi imensamente eficaz a parar o ataque encarnado. Pois...

Nuno Tavares. Demostrou frente aos azuis da Be Sad que o treino tem limitações. Não fez uma assistência magistral com o seu não-pé direito porque não calhou. Se calhar contra os azuis às riscas era bom termos alternativas...

Samaris. Não se viu. Poderia soar a elogio, mas ficarmos com a sensação que a dupla de meio campo é composta por Floren e Tino quer dizer que alguém anda a falhar.
Partilha noutros estaleiros:

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

 

Conversas no Andaime: 5 secos

Boa noite estimados picaretas,


Fizemos um podcast há cerca de 8 dias mas o pedreiro encarregue de gravar a obra enfrascou-se com as cabazadas do Benfica e levou uma carga de porrada da mulher (Obviamente Sportinguista).

Tentámos, dentro das nossas capacidades (pois...), corrigir os problemas com o som, mas os primeiros 7 minutos estão mesmo muito maus.

Assim sendo, pensem nisto como um jogo do Sporting, fortíssimos nos primeiros 6 minutos, com opiniões válidas, profundas e soluções para o conflito Israelo - Árabe a cada esquina.

A partir daí foi o descarrilamento total, o habitual portanto.

Este episódio foi o mais longo de sempre, com tanto para dizer mal, ficou basicamente do tamanho do Engame.

Por falar em finais épicos, o DC do Twitter, futuro Presidente do Futebol Clube do Porto e conhecido por ser o Anti mais Anti dos Anti, enviou-nos um pequeno Áudio a escalpelizar parte do percurso do Porto até à data.


Como sempre, NSFW e tirem as crianças da sala:


SPOTIFY
CRÉDITOS FINAIS
Picareta Oceano


Partilha noutros estaleiros:

segunda-feira, 12 de agosto de 2019

segunda-feira, 5 de agosto de 2019

 

Supertaça superlativamente superada.

Quem segue o Conversas no Andaime, o podcast aqui do blog, sabe que me conto por entre os que passam algum tempo no FM. Uma coisa interessante do FM é como, no Benfica pelo menos, a avaliação de um treinador não depender do resultado da Supertaça. Isto para mim é muito interessante porque eu de facto não dou grande importância à Supertaça. É um interessante troféu de pré-temporada e pouco mais. Daí que me permita escrever este texto com a relativa calma de quem acabou de ganhar o Torneio do Guadiana, e a moderada euforia de quem espetou cinco batatas num rival histórico.

A principal função da Supertaça é ver como as equipas estão na sua preparação. E como as equipas que a disputaram estão é da seguinte forma: tirando Thierry Correia, nesta Supertaça ninguém na equipa do Sporting tirava lugar a ninguém da equipa do Benfica!

Disse no meu post anterior que o banco do Benfica seria titular numa grande maioria das equipas da Liga. O que se passou hoje foi a consequência disso. Não é que o Benfica tenha sido muito superior ao Sporting. Não foi certamente "5-0" superior, passe o ter dominado a segunda parte. O que sucedeu é que a ligeira superioridade do Benfica a ler o jogo, embateu na tremenda falta de qualidade das peças do Sporting para darem a volta à coisa.

Podem os adeptos do Sporting amarrar-se a uma primeira parte em que o Sporting manietou como quis o Benfica. Só que esse domínio é tão aparente como os 5-0 traduzirem a diferença entre as duas equipas. É que a bem da verdade, o Sporting passou grande parte da primeira parte no meio campo Benfiquista, mas as ocasiões de perigo não terão sido mais do que uma mão cheia, a grande maioria delas conseguidas antes do minuto 20. 

Lage, passados os sustos que o Sporting criou nos primeiros dez minutos (um deles cortesia de Ferro), lá desceu as linhas, abdicou da pressão altíssima e a equipa foi aguentando até ao intervalo.

Ao intervalo o Benfica ajustou-se e Keizer, iludido com o seu controlo do jogo, não compreendeu que o que servia quando estava empatado, não serviria quando estava a perder.  É que numa das duas únicas vezes que o Benfica entrou na área do Sporting, foi para se adiantar no marcador! Com o reatar da partida, não mais o Sporting controlou o jogo. O Benfica foi controlando os acontecimentos, ganhando metros, ganhando a posse cada vez mais à frente até que Mathieu e Coates decidiram criar uma jogada que deixou a bola nos pés de Rafa, dentro da área, para que este assistisse Pizzi para o golo. Uma espécie de "obrigado por aquele passe na primeira parte". Ou Rafizzi, capítulo II.

Este é o momento decisivo! Coates, afectado pelo seu papel no golo dá uma traulitada de criar bicho a um jogador do Benfica. A falta dá origem ao livre que Grimaldo marca irrepreensivelmente  para o terceiro golo, e afecta ainda mais o central Uruguaio, ao ponto de ser ele o sacrificado quando Keizer retorna aos 4 defesas.

Com o regresso da defesa a 4 o Sporting acabou. Com Acuña e Diaby na mesma ala, Nuno Tavares finalmente começou a conseguir coisas como controlar e receber bolas sem parecer um Marega com cabelo. Tino e Gabriel limparam o meio campo de qualquer vontade que o Sporting pudesse ter de andar por ali, Rafa vinha à área buscar jogo, de Tomás aparecia entre linhas a armar jogo e Seferovic fazia o que sabe melhor, que é falhar golos na cara do Guarda-Redes adversário. Havia tempo para tudo, até para Vlachodimos, que tinha sido fundamental na primeira parte, sair do Estádio, ir a Sagres levantar dinheiro, ir à Praia da Rocha para ir beber um Gin e regressar ao seu lugar na baliza para apanhar umas bolas que andavam a cirandar a área.

Já do lado do Sporting era um salve-se quem puder. Bruno Fernandes continuava naquele jogo muito dele em que tem de fazer tudo sozinho e o resto da equipa continuava naquele outro jogo que consistia em meter a bola no Bruno.

Como nota final uma palavra para Thierry Correia. Há quatro anos, no Estádio do Algarve, o Benfica perdeu uma Supertaça para o Sporting, mas ganhou aí o melhor lateral direito que por lá passou nos últimos 12 ou 14 anos. Não é que Thierry Correia esteja ao nível de Nélson Semedo, mas se o puto perde o lugar para um "Bruno Ristovski" da vida, então o Sporting merece ir passear aos regionais!


+

+ Vlachodimos. Tem respondido dentro de campo às notícias que o Benfica precisa de um Guarda-Redes. Não será ainda o cracalhão que o Benfica tem de ter, mas a evoluir desta forma proponho que os jornais anunciem um novo Guarda-Redes no Benfica todas as semanas. Muito menos preso à linha, boa colocação entre os postes, bem a vir à entrada da área dar linhas de passe aos defesas. Foi o primeiro atacante da equipa e o seu último reduto. Fundamental.

+ Rafizzi. Entendimento perfeito na construção e no ataque que se traduz em três dos cinco golos, uma ocasião falhada e um punhado de boas jogadas. Pecou Pizzi pela falta de envolvimento no momento defensivo da equipa, nomeadamente na primeira parte, quando expôs demasiado Nuno Tavares, mas tudo o que esta dupla dá em termos ofensivos é bom.

+ Raul de Tomás. Tem aquele problema de querer ser tratado por RDT, o que parece uma coisa qualquer que se apanha numa noite de Verão nas casas de banho de uma discoteca do Algarve. Em campo comporta-se de facto como vírus que vai moendo as defesas adversárias. Não é o substituto de Jonas nem de Félix, mas dá a entender que vem para criar a sua história.

– Nuno Tavares. Não tem culpa de ter nascido com dois pés esquerdos e o terem encostado à direita. Incapaz de dominar bolas, sempre muito lento a decidir, salta à vista que o mês que leva a treinar naquela posição em nada tem contribuido para que esteja mais familiarizado com a posição. Não teve grandes ajudas de Pizzi, mas isso não explica tudo. Na pré-época mostrou que tem tudo para ser finalmente o concorrente que Grimaldo precisa. Seria bom não estragar isso com adaptações idiotas.

– Seferovic. Teve umas 98068435984323 ocasiões na cara de Renan que não aproveitou. A falta de noção para os posicionamentos dos colegas contribuiu para o falhanço de dois terços dessas ocasiões. Nunca pensei dizer isto, mas preferia ter visto Taraabt a titular no apoio a de Tomás...

– Chiquinho. Ia falar da dupla de centrais, mas acho de uma terrível falta de chá entrar como substituição para queimar tempo e no primeiro jogo oficial pelo Benfica marcar golo ao rival histórico. O último que fez essa merda nem um ano ficou. Seria bom que este durasse mais, mesmo e apesar de toda a conversa sobre carrocéis carrosséis.
Partilha noutros estaleiros:

quarta-feira, 31 de julho de 2019

 

O Sentimento Generalizado

Com as férias de Verão já no passado, vamos lá então desenferrujar a picareta e ver o que sai daqui.

Sinto que há um sentimento generalizado na massa adepta Gloriosa. Esse sentimento é que o plantel está este ano mais equilibrado este ano, faltando apenas um ou outro acerto pontual, mas que é curto, em qualidade, para o que deve ser a ambição natural do clube.

Esta "ambição natural do clube", sendo palavras minhas, é o espírito de exigência que grassa junto dos Benfiquistas. Não é apenas o ser forte em Portugal, nível que nem sequer se põe em discussão, mas o fazer brilharetes na Europa.

Que tenhamos chegado aqui é consequência clara dos títulos conquistados nos últimos anos. Mérito para quem o conseguiu. O medo que perpassa a mesma massa adepta no entanto vem também dos títulos conquistados. Mérito também para quem o conseguiu. É que essa mesma massa adepta não esquece que nem todos os títulos se apoiaram em bom futebol com bons princípios. Ninguém esquece a pior campanha de sempre de um clube na Champions, e é importante que enquanto essa campanha contar para o ranking UEFA ninguém esqueça. Ninguém esquece a aposta numa equipa técnica alicerçada em luzinhas. 

E noutro campo, é importante perceber que a Liga Portuguesa, no seu eterno 'não gostar de si mesma', tem feito um esforço épico para se tornar cada vez mais uma Liga Periférica que até para ir buscar talento a caminho da reforma tem dificuldade.

O plantel do Benfica não deverá fugir muito ao seguinte:

Odysseas, Svilar, Zlobin;
Almeida, Ebuehi, Rúben, Jardel, Ferro, Conti, Grimaldo, Nuno Tavares;
Fejsa, Samaris, Gabriel, Tino, Gedson, Taraabt, Pizzi, Chiquinho, Rafa, Caio;
Seferovic, de Tomás, Jota, Vinicius.

Ainda faltam ali nomes, mas pelo que se tem visto, estes devem ser, por imposição administrativa ou opção técnica, o núcleo duro. A constatação é que o banco do Benfica seria, em teoria, titular em 14 ou 15 das restantes 17 equipas da Liga.

Se com este plantel não conquistar o título é impensável e ficar abaixo das finais nas Taças será um falhanço, este plantel no entanto não permite grandes sonhos no que ao 'sucesso' europeu diz respeito.

Para os mais cépticos sobre a Europa eu relembro que as brilhantes campanhas de Professor Bombo e Presimente Luzinhas fazem com que o Benfica tenha a classificação directa para o pote 3 do sorteio da Champions, a menos que Porto e/ou Ajax falhem a qualificação para a fase de grupos.

Em jeito de remate, o Benfica terá alegadamente garantido mais de 200 milhões de Euros neste defeso, dos quais não terá alegadamente gasto mais de 50, isto em transferências. Se não trouxe nenhum craque de caras, por exemplo para a lateral direita, porque não quis, é difícil não pensar em boicote, até olhando ao que foram os golos sofridos na Europa nos últimos dois anos e o papel de André Almeida neles. Se não trouxe porque não conseguiu, então está no mesmo barco dos restantes clubes da Liga. E isso deveria levar-nos a pensar porque é que a Liga Portuguesa está cada vez mais perto da Liga Holandesa, onde por muito brilhante que seja a campanha do seu campeão na Liga dos Milhões, acaba sempre por ter de ir fazer duas pré-eliminatórias.
Partilha noutros estaleiros:

terça-feira, 30 de julho de 2019

 

Sporting: Cordial missiva

Boa tarde,


Quero aqui, em nome do Sporting Clube de Portugal, desejar de forma urbana as maiores felicidades ao atleta Rafael Leão na sua nova etapa no AC Milan.

É da mais elementar justiça ressalvar todo o comportamento do atleta neste processo de transferência, na medida em que não colocou qualquer tipo de post no Instagram nem deixou de seguir o seu futuro-ex-clube, o Lille, revelador de uma personalidade elegante e assaz correcta.

Gostaríamos igualmente de endereçar as maiores felicidades ao atleta Djaló por fazer o percurso inverso, desejando que todos os seus sonhos sejam elegantemente obtidos após a transferência de que foi alvo no final da época passada do nosso Sporting Clube de Portugal para o AC Milan por cerca de 500 mil Euros, soma que consideramos correcta face à valia do atleta ora vendido por cerca de 5 milhões de Euros, revelando a nossa argúcia e elevação na hora de negociar o atleta sem lhe provocar desgostos e quebras de expectativas.

Felicitar, por fim, o empresário Jorge Mendes por ter intermediado todos este negócios, sem torpezas, sem gritarias e com a urbanidade que sempre lhe reconhecemos.

Somos Sporting até ao fim*

Picareta Oceano





*O Fim está perto, portanto seremos Sporting até ao fim, mas não durante muito tempo, que isso seria deselegante e assaz incomodativo para todos.
Partilha noutros estaleiros:

sábado, 27 de julho de 2019

segunda-feira, 15 de julho de 2019

 

Sporting: Cenas de pré-epoca e pessoal com pouco que fazer

Boa tarde estimados picaretas,


É natural, durante esta época estival, que a malta aproveite para ocupar a cabeça com coisas que o rebuliço do normal dia-a-dia não permite.

Daí os tops de "livros para ler na toalha" "música para relaxar nas férias e "melhore o seu Alemão nas praias do Algarve".

Faz parte, tal como as selfies a mostrar o nosso melhor pé-de-atleta.

O Sporting tem tido uma abordagem interessante no mercado de Verão, fez poucas contratações, com alguma qualidade (à partida). Os valores, intermediários e as "cláusulas que há para lá" não abonam muito a favor da direcção, mas no aspecto puramente desportivo, parece-me interessante.

As excepções parecem-me óbvias, a contratação de Eduardo e a manutenção de Tiago Ilori em detrimento de Domingos Duarte.

Eu não considero que Domingo Duarte tenha condições para assumir a titularidade no Sporting, falta-lhe qualidade intrínseca para poder suceder a qualquer um dos actuais titulares, mas a lógica de adquirir Ilori por 4 milhões para depois vender Domingos Duarte por 3... Apesar de nenhum deles ter capacidade de ser titular no Sporting, a manutenção de Domingos Duarte faria muito mais sentido numa óptica de premiar quem cá está, quem nunca forçou saídas.

Quanto a Eduardo, é bom jogador, tem capacidades interessantes e parece-me até bastante superior a Battaglia, no entanto, pela amostra dos dois jogos até agora efectuados, está longe de ser o 6 que o Sporting precisa. E para há opções bem melhores que Eduardo.

Parece-me óbvio que Daniel Bragança é o jogador mais capacitado para fazer essa opção, é melhor que Eduardo em.. vá tudo. É apenas e só melhor jogador. E todos teríamos a ganhar com a sua inclusão.

Gostaria igualmente que Max fosse o Keeper escolhido para titular. Mas isso já me parecem meras quimeras.

Keizer continua a demonstrar que não sabe colocar a sua equipa a defender, não há UM processo minimamente decente do ponto vista defensivo, os mancos do Saint Gallen conseguiam entrar com bola controlada de frente para a linha defensiva de forma mais fácil que a Wonder Woman nas naves do Thanos (Spolier alert).

Está feito um resumo muito básico sobre a corrente pré-época do Sporting, simples, com pouco que reflectir, típico do Verão.

Está por isso uma merda quase tão grande como um Samuel qualquer escreveu num jornal.
Parece, entre outras coisas, que devemos ser iguais aos partidos políticos e começar a nomear delegados para as AG.
Devemos igualmente evitar que esses delegados tenha menos de 10 anos de sócio, porque toda a gente sabe que só as pessoas com muitos anos de sócio é que tomam boas decisões.
É preciso igualmente criar um conselho estratégico, orgão inteiramente diferente do conselho leonino, porque...porque.... o Samuel disse que era diferente porra!

Eu cá acho lindamente, as AG são uma maçada, só pessoas preocupadas com o Clube, com sentido crítico e ideias próprias. Que coisa tão 1970's.

Quanto a delegados caso essa proposta de alteração dos estatutos seja aprovada, pretendo que o meu seja o Sr. Luís Filipe Vieira, sócio de longa data do Sporting, que tenho a certeza, face aos anos de sócio, que tomará as melhores decisões e votará de acordo com os melhores interesses do Sporting.

Picareta Oceano
Partilha noutros estaleiros:

quarta-feira, 10 de julho de 2019

 

Jonas já vai tarde. - Opiniões polémicas

Num dia que se quer de luto entre os Benfiquistas, não consigo parar de pensar que sem ele no plantel nunca o Benfica teria sido castigado com três anos e meio de luzinhas do Prof. Bombo Vitalis.

Se trocava Jonas por futebol colectivo? Acho que não, mas não nos iludamos, isto de andar a acartar a equipa às costas durante quatro anos não pode ter ajudado a debelar aqueles bicos de papagaio.
Partilha noutros estaleiros: